Era só mais um Silva

15:54


O simplismo do sobrenome Silva é mais um dos muitos legados portugueses no Brasil. Entre os colonos, tal palavra é comumente conhecida por caracterizar as famílias de menor prestígio social. No nosso país parece que esta classificação, pautada no nome, ainda resiste. Por aqui, ser da Silva é o mesmo que não ser ninguém, como se a palavra guardasse em seu íntimo um que de indigência. Por causa disso, nossos Silvas, geralmente pobres, negros e favelados, são dizimados pela sociedade, alargando as estatísticas em torno do aniquilamento das minorias.

Para provar isso, o Brasil acompanhou há poucos dias na mídia o caso do dançarino Douglas Rafael da Silva, assassinado a tiros no Rio de Janeiro. Ele que foi baleado por ter sido confundido como um bandido e, por isso, teve a vida interrompida aos 26 anos idade. O que chama atenção nesse caso é que o rapaz não foi morto apenas por uma duvidosa ação policial. Ele morreu, como se morre nesse país, por ser minoria. No caso dele três: pobre, negro e funkeiro, cada uma destas intimamente ligadas com a desigualdade social que ainda assola o país.

Não é necessário, a priori, de estatísticas capazes de comprovar o índice de mortandade entre os marginalizados do país. Porém, para os mais céticos, uma pesquisa divulgada pelo Ipea, publicada na Revista Carta Capital, trouxe dados alarmantes. Segundo a publicação, em 2013, mais de 50% dos crimes seguidos de morte tinham a população pobre como vítima. Deste número 70% eram negros. Essa vitimização é fruto do descaso social e governamental vivido por esses grupos. Sem uma real proteção, quem se enquadra nos predicados minoritários acaba sendo alvo fácil de crimes desse tipo.

Mesmo não tendo o racismo como palco central do assassinado do dançarino, ele se apresenta implicitamente na questão do emblema social do qual os negros ainda são rotulados. Por ser negro, vestir-se com trajes simples, o rapaz foi visto como o protótipo negro da cultura brasileira, aquele que é malandro e, por essa razão, bandido. Semelhante ao ajudante de pedreiro, Amarildo, arrastado por policiais e que até hoje está desaparecido. Amarildo não tem o Silva no nome, mas se configura como negro, tal qual Douglas e isso já faz desses dois personagens seres sem direitos a própria vida.

Nessas mortes, a localidade onde morava cada um dos personagens conta muito, bem como a sua cultura. A favela, para muitos, é o berço do crime, da bandidagem, local onde a ilicitude fincou raízes tão profundas que até hoje o poder público não foi capaz de tomar uma providência. Entretanto, o que muitos não se perguntam é como a favelização se tornou tão periculosa no Brasil e por que nada é feito para minimizar os dilemas desse povo. Simplesmente, nunca houve um trabalho voltado para quem vive à margem e o resultado disso é a brutalização de um povo que, sem direitos, tenta a todo custo sobreviver nesta sociedade, mesmo que de forma ilícita.

Tal clandestinidade criou na favela uma cultura transgressora, representada pelo funk carioca, mesmo ritmo dançado pelo Douglas. Com batidas envolventes e letras retratando os dilemas da comunidade, essas músicas ganharam o país com funkeiros e os mais atuais Mcs. Nelas, a dor de um povo carente de tudo serve de repertório para extravasar os clamores dessa gente que não é ouvida. Dentre tantas, uma parece ser bem interessante para as mortes dos tantos Silvas: Rap do Silva. Parece apropriado retirar dela o verso que diz "era só mais um silva que a estrela não brilha, ele era funkeiro mas era pai de família".

E era mesmo. Douglas deixou uma criança que vai crescer sem pai, tudo porque esse rapaz nasceu numa sociedade onde ser pobre, negro e funkeiro é sinônimo de não ter direito. Além disso, ele era da Silva, sem eira nem beira, mais um entre tantos outros indigentes sociais, que ainda não morreram, mas quando chegar a hora, serão eternamente esquecidos. Pessoas de boa índole que são assassinadas e nada é feito para, pelo menos, criminalizar os reais culpados. Enquanto nada de significativo é feito, a sociedade assiste, chocada e passiva, a morte abrupta e prematura de rapazes e trabalhadores, como Douglas e Amarildo, de pés e mãos atadas.

Nesse emudecimento social, quem mais sofre com a insegurança são aquelas pessoas que, como os atores desse texto, nasceram pobres, negros e dentro de uma cultura que só é cultuada quando é conveniente. Já está na hora da população dar um basta nisso. Por isso, não dá mais para derramar lágrimas a cada novo cadáver inocente que ensanguenta a mídia. O que o dançarino queria, semelhante ao ajudante de pedreiro, era apenas liberdade. Ser livre para ser eles mesmos, com a simplicidade individual, características físicas e gostos culturais. Livres para ir r vir, nesse país onde a liberdade é para poucos. Eles queriam representar o refrão de outro funk que dizia "eu só quero é ser feliz, andar tranquilamente na favela onde eu nasci, e poder me orgulhar e ter a consciência que o pobre tem seu lugar". É, e o pobre tem um lugar, mas não é no topo da pirâmide do país, infelizmente.

LEIA TAMBÉM

0 FELICIDADES

recent posts

Comentários

Instagram