30 HOMENS ESTUPRADORES E MILHÕES DE IGNORANTES!

11:57


A história é sempre a mesma: mulher é estuprada/violentada, sua imagem é divulgada na rede e, ao invés de ser tratada como vítima, ela é culpabilizada pela atrocidade que sofreu. Esse é o nosso Brasil onde o machismo culpabiliza quem é violada e inocenta o agressor. No caso os agressores, já que não basta ser brutalizada por um, agora a ideia é coletivizar a estupro. Essa conduta animalesca ocorreu há pouco tempo e destroçou a vida de uma moça usada barbaramente como objeto sexual por mais de trinta homens. Esse fato injustificável e indiscutivelmente desmedido não ocorreu no oriente médio, nem em nenhuma tribo africana, mas no nosso país, onde as minorias são agredidas, negligenciadas e silenciadas pela própria herança patriarcal que social/midiática/religiosa e politicamente contribui para esse tipo de crime.
O mais abjeto de tudo isso é que quando se pensa em estupro, a comoção se dá apenas quando a vítima é brutalizada, sexualmente falando, seja por um ou por vários indivíduos. A sociedade não entende que muito antes de consumar o ato, é a cultura do estupro que sedimenta estas práticas. Em outras palavras, todos os dias as mulheres são estupradas por multidões nas ruas através de assovios, cantadas, puxões de cabelo, roçadas e encoxadas em ônibus/metrôs. Muitas são abusadas no trabalho, na escola, dentro de espaços religiosos. Outras tantas não encontram respeito nem mesmo em casa, pois muitas vezes são estupradas por companheiros, pais, primos, entre outros familiares e parentes. Isso significa dizer que muitas estão nesse exato momento sendo estupradas por multidões de ignorantes, dos quais se acham no direito de invadir o corpo alheio por acreditarem que tenham direito de fazer isso.
Tal pensamento é fruto, ainda, do nosso clichê e velho machismo, enraizado numa cultura da qual o homem é o epicentro das relações sociais e, sobretudo, sexuais. A começar pela educação subserviente ensinada as mulheres até hoje por N religiões, as quais reduziram o ser feminino ao lar e aos afazeres deste. A mídia ainda tenta ratificar esse modelo trazendo à tona, debochadamente, a ideia de que a mulher perfeita é aquela "bela, recatada e do lar", como se esse reducionismo impedisse os assédios, moral e físico, sofridos por quem escolheu ser mais comedida, diferente daquelas vistas como mais "transgressoras". Se comportamento, vestimenta e religião fossem escudos bons o bastante para impedir a abrupta violação sexual, as mulheres que usam burcas no oriente médio não seriam as maiores vítimas nesse sentido. Por que a sociedade, então, não vê o estupro muito além da penetração em si e, por essa razão, não menos bárbaro?
A questão é muito mais complexa. Vivemos num país que naturalizou a ideia de que a mulher é propriedade do outro, então sua conduta é avaliada desde sempre pelo o que ela veste, fala, pensa, deseja, etc, etc. Ou seja, ela não pode fugir do crivo masculino sempre disposto a tacha-la de puta, caso subverta o que está estabelecido. Esse encurralamento ganha terreno fértil na mídia, responsável por sexualizar ainda mais esse grupo: "vai verão, vem verão!". A igreja por acreditar que o corpo feminino é apenas uma máquina de reproduzir crianças, mas que ignora a forma como elas são concebidas, sobretudo no raso debate acerca do aborto. Esta mesma igreja, que culpabiliza a vítima e faz vista grossa para o agressor, estuprou bem mais do que 30 mulheres ao longo da história. Tudo isso regido por uma política controversa, a qual até legitima esse tema: "só não estupro porque você não merece", palavras do próprio Bolsonaro e que retratam bem a nossa sociedade sexista.
Machismo este que viraliza na rede com frases do tipo: "por que ela estava nesse local a essa hora?", "com que roupa ela estava?", "ela deve ter bebido de mais!", menções estas que suplantam o crime em detrimento de justificativas vãs para o ato. O crime nesse contexto é ser mulher e não ter o corpo dilacerado por 30 homens querendo saciar suas vontades bestiais. Não é a toa que são sexualizadas desde cedo, a exemplo da Mc Mellody, pois o quanto antes estiverem no "ponto" de serem estupradas, melhor. Incoerentemente, a mesma sociedade que se deleita com a onda musical das novinhas é a mesma que se esquiva da responsabilidade quando uma delas é estuprada por um coletivo. Ou seja, elas são corporificadas em peitos e bundas , tornam-se objetos de consumo, dançam, requebram até o chão, mas quando são violadas devem carregar a culpa sozinha, porque "pediram" para isso acontecer. Ou pior, há homens, e muitas mulheres também, que acham/defendem a ideia do estupro, por mais absurdo que pareça.
De fato, há quem se ache no direito de estuprar mulheres, já que não há políticas efetivas para combater esse tipo de crime. Falta também a presença massiva desse gênero dentro do espaço político para que aja uma maior representação para esse grupo. Sem isso, delegacias não são orientadas a tratar das demandas femininas. Hospitais com alas específicas para estupros, coletivos ou não, são poucos, como também faltam profissionais para lidar com as feridas físicas e emocionais das vítimas. O problema se agrava, ainda, porque não há uma educação sexual libertadora, de casa para a escola e vice-versa, que reposicione o papel da mulher dentro da sociedade desde a tenra idade. Os papeis de gênero são cada vez mais estanques, mesmo com todos os avanços tecnológicos responsáveis por levar a informação até nós na palma das mãos através da telefonia móvel. Sem conhecer, nem fazer nenhum esforço para isso, temas como sexo, gênero, identidade, sexualidade, orientação, são alimentados por achismos, que por si só são limitados, e acabam sendo propagados como verdades na rede, onde a propagação de chorume travestido de opinião se tornou banal. Vide Ana Paula Valadão.

Todo esse panorama é responsável pelo estupro daquela garota e de tantas outras Brasil afora. Infelizmente, é apenas a ponta de um profundo iceberg ligado a velhas tradições patriarcais que insistem em ressurgir para nos mostrar o quanto nós estamos aquém dos direitos das mulheres. Nessas horas, é preciso compreender a essência do feminismo, suas demandas e lutas. Sem um empoderamento, de fato, outras atrocidades dessa natureza voltarão a público, e o pior, passarão a ser naturalizadas. Para que isso não aconteça, não basta se chocar com a quantidade de homens que assediam ou estupram mulheres. Não importa se é um ou um milhão. A quantidade aqui é meramente ilustrativa. O mais importante é insurgir-se contra isso; é culpar os reais responsáveis; é dar o apoio necessário as vítimas; é denunciar o agressor; é não se calar diante das violências diárias; é legitimar o feminismo; é buscar uma política mais inclusiva; é incluir as minorias na política; é lutar por maior representatividade; e, principalmente, ressignificar a nossa educação. Sem isso, 30 ou mais homens continuarão a estuprar outras tantas mulheres e milhões de brasileiros ignorantes continuarão a fazer o que sempre fazem nessas horas: culpar a pessoa errada.

LEIA TAMBÉM

0 FELICIDADES

recent posts

Comentários

Instagram