Cinderela, uma garota de 19 anos com pelos nos braços

11:18



Fonte: Jornal do Comércio - Publicado em 12.04.2010

“Cinderela deixou de ser bicha. Agora é menina.” Quem afirma é o pai da “criança”, o ator e dramaturgo Henrique Celibi. O comediante Jeison Wallace, intérprete da personagem, concorda com a mudança de sexo: “Cinderela deixou de ser um homem vestido de mulher. Agora é uma menina de 18, quase 19 anos. Não sei o porquê, mas ela foi mudando ao longo dos anos. Foi natural. Certa vez uma menina me viu na rua e apontou para a mãe: ‘Eita, ela tem pelos nos braços!’”

O nascimento da ex-bicha foi mais cândido do que você possa imaginar. “Eu estava hospedado com um casal amigo, colocando a filha deles para dormir. Era um bebê de poucos meses que não parava de chorar. Comecei a contar ‘era uma vez uma bichinha chamada Cinderela, que morava na Cohab’, e a menina ficou me olhando com os olhos esbugalhados”, lembra Celibi. Diante da reação infantil, não teve dúvidas: naquela noite mesmo escreveu o argumento básico de Cinderela – A história que sua mãe não contou. A peça, que permanece o maior sucesso do teatro pernambucano, completa este mês 25 anos de sua primeira montagem.

Do quarto infantil, Cinderela foi sem escalas para a boate. “O pessoal da Misty havia pedido que eu escrevesse um texto para encenar lá na boate. Eu não queria só um número de dublagem. Minha ideia era fazer algo engraçado, de 40 ou 50 minutos. Cinderela era ideal”, lembra Celibi, a primeira Cinderela. “A interpretação que Jeison faz é sensacional, mas agora é uma outra coisa, voltada para as crianças.”

Jeison começou a interpretar Cinderela na cult temporada do espetáculo no Valdemar de Oliveira, iniciada em setembro de 1991, com produção da Trupe do Barulho. A sessão começava à meia-noite, ao som da apresentação “era uma vez uma bichinha chamada Cinderela, que morava na Cohab”. O cenário e o figurino foram montados com empréstimos de amigos, e havia todo tipo de promoção para troca de ingressos, de vale-transporte a quilos de alimento. Não demorou muito para o boca-boca tornar o espetáculo um sucesso retumbante de público: quase 500 mil espectadores ao longo da década de 1990.

“A Cinderela é muito real. Eu me inspirei nas pessoas com quem eu convivia todo dia em Afogados, de onde é minha família”, diz Jeison, que, além dos projetos para o teatro e a televisão (o Papeiro da Cinderela, da TV Jornal, inspirou um quadro no programa de Eliana, no SBT), emprestou a personagem para uma linha de produtos populares.

Apesar do sucesso, o Papeiro da Cinderela já recebeu ameaças. Uma delas da ONG Leões do Norte, que quase processou o programa, alegando que ele passaria uma imagem negativa dos gays. “Uma vez um morador do Ibura ligou reclamando para a TV, porque fizemos uma brincadeira dizendo que o Ibura era pei, pei!’”, afirma Jeison. O roteiro de piadas do programa recebe a instrução de não incitar qualquer tipo de preconceito.

“Cinderela é a cara do recifense suburbano. Na TV a personagem perdeu o discurso underground do teatro, mas ainda assim é interessante. O Papeiro abre espaço para artistas famosos do mundo gay, como Salário Mínimo. Mesmo domesticada, ela é subversiva”, aposta o pesquisador Rodrigo Dourado, que defendeu dissertação de mestrado sobre a personagem, na UFPE, com o título Mulheres com H: estereótipos ambivalentes, representações tensionadas e identidades queer no programa de TV Papeiro da Cinderela.

“Se falou que o Recife, nos anos 1990, teve uma moda mangue, um cinema mangue, mas ninguém reconhece que o Recife pode ter tido um teatro mangue. E que esse teatro foi protagonizado por um homem vestido de mulher”, defende Dourado. “Nunca me importei com essa aceitação. O nosso sucesso é popular mesmo”, diz Jeison.

Tanto sucesso acabou gerando suas cópias. “Talvez alguns grupos tentem copiar o sucesso da Trupe do Barulho, mas parecem não conseguir a mesma comunicação com a plateia. Eles próprios, da Trupe, embora mantenham um público relativamente fiel, já enfrentaram momentos de menor aceitação. Nem tudo o que fazem agrada. Mais adiante, porém, voltam a lotar os teatros. Uma das marcas da Trupe do Barulho foi que ela nunca teve qualquer engajamento com uma causa referente às chamadas minorias. São, sem medo, politicamente incorretos”, aponta o pesquisador Luís Augusto Reis, que defendeu, na UFPE, a dissertação de mestrado Trupe do Barulho, vozes silenciosas. Entre o teatro e os mass media: o sucesso do subalterno no Recife dos anos 90.

Já Dourado acredita que a fórmula lançada pela Cinderela dá sinais de desgaste. “Uma boa exceção disso foi o espetáculo Paloma para matar, que soube trazer para o teatro as piadas de internet, do YouTube, assim como um dia Cinderela se apropriou da linguagem da TV.” (S.C.)

LEIA TAMBÉM

1 FELICIDADES

  1. A Cinderela é maravilhosa, eu fico com a barriga doendo quando a assisto na Eliana, ela é demais!! Nubia Couto

    ResponderExcluir

recent posts

Comentários

Instagram