Música marginalizada: o retrato da cultura popular

17:56



Brega, calypso, forró, funk, swingueira, pagode, reggae, sertanejo, estes, entre tantos outros, são alguns dos muitos estilos musicais que embalam a musicalidade do Brasil. Com letras de fácil assimilação e pouco requinte poético, esses ritmos tomaram conta da sociedade, conquistando públicos de perfis e faixas etárias variadas. Embora não seja um fenômeno recente, estes grupos musicais sofrem com o estigma de serem considerados incultos, de mau gosto, cafonas, ou qualquer outro adjetivo que possa enquadrá-los na escória da Música Popular Brasileira – MPB. No entanto, o crescente número de seguidores desses gêneros musicais desperta a importância de entender o real significado de suas letras e o que perpassa no discurso delas, ao ponto de conquistar cada vez mais fãs, muitos deles de classes sociais bem distintas.

Se o termômetro cultural de uma sociedade é medido pelo grau de criatividade dos artistas que nela vivem, então a medição do Brasil, nesse sentido, deu origem a um berçário de inúmeros talentos. A tão aclamada MPB, teve diversos representantes que elevaram o nível da música nacional, motivo de orgulho por aqui e de respeito para outras nações. Nesta esfera sonora, os ritmos que embalam o país como o samba, o chorinho e a consagrada Bossa Nova são estilos musicais que ganharam notoriedade, exportando grandes nomes do cenário musical brasileiro, como o saudoso Tom Jobim, para terras além mar. Apesar disso, a MPB, atualmente, não se limita apenas aos estilos clássicos que deram ao Brasil a alcunha de “terra da sonoridade”. Hoje, muitos ritmos de várias regiões do país fazem tanto sucesso quanto os imortais da Bossa Nova, os revolucionários do movimento Tropicália ou os grandes nomes que palpitavam os corações apaixonados das adolescentes na Jovem Guarda.

Mesmo sabendo disso, os mais conservadores e os amantes da “boa música” preferem desconsiderar essa realidade musical a ter que encarar a sua importância enquanto manifestação de um determinado grupo social. O brega, por exemplo, representado na atualidade pela Banda Calypso, não pode ser execrado antes de uma análise minuciosa da sua contribuição musical. Com letras melosas e rimas um tanto quanto fracas, poeticamente falando, as músicas dessa banda retratam a realidade de pessoas comuns que sofrem, sentem frustrações, buscam um amor, ou choram por um romance mal sucedido, temas estes que fazem parte da realidade de muitos brasileiros. O romantismo exacerbado dessas canções não ficaram limitadas apenas a esse gênero musical. Seja no pagode, no sertanejo ou no samba, seja na voz de Joelma ou do Rei Roberto Carlos, as letras repletas de sentimentalismo estão presentes no dia a dia, mas muitos preferem classificar como “boas” aquelas músicas que são cantadas por grandes nomes da música nacional, e “más” aquelas que são interpretadas pelos cantores populares.

Isso foi o que aconteceu com o funk, outro estilo musical muito popular e representante fiel da realidade de pobreza e violência de diversas comunidades do país. Funkeiros famosos como a dupla Claudinho e Bochecha, não eram bem vistos pela sociedade mais conservadora, pois cantavam um gênero musical que não apresentava as características necessárias para fazer parte da tão abalizada MPB. No entanto, quando a letra de uma das músicas da dupla foi regravada pela cantora Adriana Calcanhoto, logo a sociedade passou a ver a construção musical desses rapazes de uma outra forma, esta, menos pejorativa. Fica claro nesse exemplo que, para que um estilo musical seja alçado a um patamar de música de qualidade, é preciso que algum intérprete de renome dê a sua contribuição para mudar a visão preconceituosa da sociedade. Daí, a acepção que muitos perpetuam de “música de qualidade” passa pelo princípio unívoco de rimas e construções gramaticais dignas dos grandes poetas clássicos, ou da era parnasiana, épocas estas onde o culto à forma era privilegiado acima de quaisquer coisas. Porém, essa limitação acaba furtando de muitas pessoas a possibilidade de encontrar grandes talentos, por pura ignorância e, principalmente preconceito.

O que falar então do pagode, um dos ritmos mais tocados atualmente por diversos grupos do gênero. Patinho feio do samba, muitos ainda nutrem um pensamento pormenorizado desse estilo, pois argumentam que algumas melodias e letras não são dignas de serem consideradas como músicas de qualidade. Ora, grupos como Exaltasamba, Sorriso Maroto, Revelação, da mesma forma que cantores como Zeca Pagodinho, Dudu Nobre e outras feras do gênero, não devem nada a muitos sambistas consagrados por ai. Pelo contrário, muitas músicas desses artistas são elaboradas com tanta criatividade e, sobretudo musicalidade que merecem ter o seu espaço respeitado por todos os outros estilos musicais. Cantadas no fundo do quintal, ou numa casa de show elitizada, o que realmente importa é perceber que esses artistas estão tentando manter viva a identidade cultural polissêmica desse país.

Ainda sobre música marginalizada, não se pode esquecer do fenômeno atual chamado Luan Santana. O rapaz tem conquistado o coração de muitas adolescentes pelo país, ao mesmo tempo que dissemina um outro gênero desrespeitado por muitos, o sertanejo. As pessoas esquecem que muitas músicas sertanejas se tornaram clássicos eternalizados da cultura nacional e merecem todo o nosso respeito, como é o caso da música “É o amor”, da dupla Zezé de Camargo e Luciano, sendo esta a música mais tocada do Brasil nos últimos tempos, recebendo até uma valiosa interpretação da rainha da música nacional, Maria Bethânia. Além disso, as toadas que ritmizam as músicas desse gênero dão a sociedade a chance de entrar em contato com a cultura caipira, de um povo rico em costumes bem peculiares, de influência contundente na construção da originalidade musical do Brasil.

Independente do estilo musical, do grau de intelectualidade depositado nas canções, do nível de romantismo e de rimas ricas que determinadas letras deverão apresentar, da afinação dos seus cantores, da qualidade melódica das músicas, entre tantos outros pré-requisitos exigidos para que uma música seja vista como tal, é preciso olhar o que estar por trás de cada estilo desse. Que sentimentalismo é esse que as canções insistem em recitar nos seus versos? Que violência é essa narrada em muitos funks, raps e reggaes, com letras falando de temas como drogas, prostituição, pedofilia, corrupção, pobreza e abandono? Que Brasil é esse que ecoa suas mazelas na voz de um povo marginalizado que quer ser ouvido e ter os seus problemas solucionados? A musicalidade existente em cada estilo, gênero, ou qualquer outra classificação a qual pode ser dada, constitui a voz de um povo que, muitas vezes emudecido em todos os aspectos, encontra em formas peculiares de artes a válvula canalizadora de seus tormentos. Por isso, antes de classificar uma canção de forma maniqueísta, ou seja, como boa ou má, o mais importante é perceber que por trás de cada verso, estrofe e rima existe um povo pedindo socorro.

LEIA TAMBÉM

1 FELICIDADES

  1. Olá querido. Obrigado pela visita calorosa lá no IdG. Essa semana que passou foi muito corrida pra mim e estou feliz por passar aqui de novo.
    Li a postagem e, realmente, a cultura de um país, de forma geral, é o seu retrato. E a música, dentre todas as formas de arte, é a que mais toca a população em massa e, por isso, a mais reveladora de todas. É mais do que simples melodias, rítimos ou estilos. É tudo isso mais história.
    Bom fds.

    ResponderExcluir

recent posts

Comentários

Instagram