Identificados os Genes que Contribuem com a Imunização Contra o HIV

18:59

saúde, adis, hiv, pesquisa, ufpe,descoberta, cura, vacinaJustificar O texto que vocês irão ler não foi escrito por mim. Eu o copiei do blog do meu amigo Julio (http://julio191433.blogspot.com/) que é estudante de Biologia pela Universidade de Pernambuco - UPE (Publicado pela Universidade Federal de Pernambuco-UFPE EM 25/03/2010). Resolvi postar este texto porque ele contêm informações muito preciosas sobre os atuais avanços na busca da cura do vírus HIV que, como se sabe, é uma das principais doenças que desimam milhares de vítimas todos os anos em todo o mundo. Se o Brasil, em especial o estado de Pernambuco onde a pesquisa está sendo realizada, for o pioneiro da descoberta da cura, haverá um grande reconhecimento mundial e com certeza o nosso país lucrará muito com isso.

Pernambuco, nesse sentido, está galgando passos importantíssimos para essa conquista, já que a UFPE está sediando um grupo de pesquisa, filiado a outras universidades nacionais e internacionais, com o intuito de desenvolver uma vacina que possa solucionar o drama vivido pelos portadores do HIV. Por isso, achei crucial compartilhar com os meus seguidores/leitores o texto abaixo, pois ele além de informativo é um promissor avanço tecnológico que busca encontrar alternativas para ajudar todos aqueles que foram contaminados por esse vírus.

Nesse âmbito, acredito que o teor teorico escrito no texto que será lido não pode ficar limitado a apenas um blog. Ele tem que ser divuldago para que cada vez mais pessoas tomem ciência de que o nosso país, apesar dos inúmeros problemas de ordem sociocultural, está trabalhando arduamente para desenvolver uma materia prima salutar que extinguirá, em um futuro não muito distante, o virus da AIDS do mundo, ou pelo menos conterá o seu desenvolvimento. É uma esperança que não pode ser descartada. Espero que você leitor consiga desfrutar tanto quanto eu das informações fornecidas pelo texto abaixo:


Ao anunciar, hoje (25), mais um importante passo na pesquisa da imunovacina terapêutica contra o HIV, a identificação de dois genes (MBL2, codificante pela proteína ligadora de manose, e o NOS1, que responde pela produção de oxido nítrico) o primeiro sendo molécula “chave da imunidade inata e o segundo responsável pelo processo de maturação das células dendríticas – cuja função é acionar o sistema imunológico humano –, pesquisadores da UFPE colocam o Recife em condições para ser o centro de referência nacional para a produção de células dendríticas para estratégias vacinais.

Para operacionalizar em Pernambuco a produção dessas células, que são importantes insumos para a imunovacina, os pesquisadores lançaram um apelo aos órgãos financiador públicos e privados. “Temos no Recife uma mão de obra que não deve a nenhum outro lugar do mundo, e algumas instituições já manifestaram interesse no nosso projeto. Precisamos agora de um apoio substancial para torná-lo realidade, antes que outros centros se adiantem”, afirma o professor do Departamento de Genética da UFPE e coordenador da pesquisa, Sergio Crovella. A recente descoberta e a implantação de uma fábrica de células dendríticas (DCs Cell Factory) no Estado, segundo atesta Crovella, são de suma importância para o futuro de estudos vacinais, assim como estudos genômicos mais aprofundados sobre a resposta do paciente hospedeiro aos tratamentos vacinais de um modo geral.

Segundo o geneticista, o futuro deste tipo de estudo é extremamente promissor. “Estamos organizando um laboratório dedicado exclusivamente à avaliação das características genéticas do hospedeiro, assim como na melhoria da produção da vacina e por isso precisando de recursos financeiros para fortalecer esta área que está tendo uma grande visibilidade internacional e que foi desenvolvida inteiramente no Pernambuco para uma equipe de pesquisadores com idade media muito baixa (acerca de 23 anos) mais com grandíssima força e entusiasmo”, constata o pesquisador.

PESQUISA – Ambos os genes identificados nesta recente fase da pesquisa apresentam um papel fundamental na defesa do organismo contra a entrada do HIV assim como na regulação (negativa) da replicação do vírus. Em adição, ambos os genes estão envolvidos no processo de maturação das células dendríticas e na resposta do hospedeiro à entrada e replicação do HIV. Este último aspecto é de importância fundamental de acordo com a estratégia vacinal, pois o estudo permitiu a identificação de dois fatores genéticos que variam durante o processo de amadurecimento das células dendríticas, atores principais da nossa estratégia vacinologica.

Com a identificação dos genes MBL2 e NOS1, associados ao sucesso da vacinação em determinados pacientes, foi dado um importante passo na continuação do o estudo, pois vai abrir um novo caminho na preparação das células dendríticas na segunda fase da nova vacina. O aspecto extremamente inovador desta pesquisa não foi somente focalizar a atenção apenas sobre o genoma do hospedeiro, mas também identificar fatores que permitam melhorar a qualidade das células dendríticas para tratamento vacinal.

Na revista internacional “Vaccine”, onde o trabalho foi publicado recentemente, foram destacados estes aspectos e também mostrados estudos de réplicas feitos sobre outros grupos étnicos (caucasianos e africanos) para avaliar os resultados obtidos sobre pacientes brasileiros em pacientes de outros grupos étnicos. Isso tem uma relevância importante porque abre novas fronteiras internacionais pelo o estudo, sendo validado não somente em população brasileira pernambucana, assim como sobre grupos étnicos diferentes.

Enfim, a importância dos dois genes MBL2 e NOS1 foram avaliadas na construção de uma nova vacina que está sendo desenvolvida na USP de são Paulo em colaboração com nosso grupo de pesquisa, para chegar à fase II do projeto.

HISTÓRICO - A pesquisa para o desenvolvimento da imunovacina terapêutica contra o HIV teve início do zero, em 2001, com a montagem da infraestrutura no Instituto de Pesquisa em Imunoterapia de Pernambuco (Ipipe), localizada no Lika, que consistiu na construção de um laboratório de segurança máxima, chamado NB3, classe D, treinamento de pessoal, regularização dos documentos necessários que regem as boas práticas em pesquisa e toda a base necessária restante. Depois de ter passado por todos os testes pré-clínicos – modelos in vitro e em modelos animais – foi elaborado um protocolo e deu-se início à Fase I do estudo clínico, com o ensaio em humanos.

A estratégia original do estudo consiste na retirada de uma quantidade de células dendríticas (componentes do sistema imunológico que acusam a presença de invasores às células de defesa) e do vírus do paciente. Já desativado quimicamente, o vírus é colocado junto às células dendríticas para que elas aprendam a identificá-lo. Só então elas voltam a ser introduzidas no paciente para que atuem como denunciantes do HIV e o sistema imunológico possam destruí-lo. Normalmente, as células dendríticas são incapazes de denunciar a presença do vírus da AIDS.

Na primeira etapa dos estudos estiveram envolvidos, além da UFPE, da USP, da UFRJ e da Escola Paulista de Medicina (Unifesp), a Universidade Johns Hopkins (EUA) e a Universidade de Paris V (França).

2ª FASE - Na próxima e segunda fase da pesquisa para desenvolvimento da imunovacina terapêutica contra o HIV, que se inicia em breve, a expectativa é chegar perto dos 100% de redução da carga viral dos pacientes. Neste momento, quando mais prevalece o princípio da precaução máxima, assim definido pela bioética, os procedimentos devem ser adotados passo a passo e não aos saltos. Neste processo serão reforçados os conceitos provados na fase I, reavaliada a eficácia da Imunoterapia dependendo do genoma do hospedeiro e avaliada a revacinação dos pacientes (booster dose), com novas injeções de células dendríticas tratadas com vírus autólogo. Esta fase tem previsão de dois anos.

Dessa próxima etapa da pesquisa participa a UFPE, sob coordenação dos professores Sergio Crovella (Titular do Departamento de Genética) e Luiz Cláudio Arraes (associado do Departamento de Medicina Tropical), a USP, com equipe supervisionada pelo professor Alberto Duarte, e a UFRJ, com os professores Luciana Arruda e Amílcar Tenuri (CDC-EUA). Também colabora o Laboratório de Imunopatologia Keizo Asami (Lika), a partir do apoio do diretor e professor José Luiz de Lima Filho.


LEIA TAMBÉM

0 FELICIDADES

recent posts

Comentários

Instagram